Um mundo melhor capaz de gerar tudo que é essencial à vida: água, alimento, abrigo, energia, sustento - de forma sustentável. Foi este o objectivo a que nos propusemos, provando que é possível criar riqueza com uma consciência ambiental e social. Encontrámos neste espaço – o Vale da Sarvinda – as condições necessárias. Situado na zona do Parque Natural do Tejo Internacional, ocupa cerca de 180 ha na fronteira entre o Alto Alentejo e a Beira Baixa, fica a meio caminho entre Castelo Branco e Vila Velha de Ródão, banhado pelo rio Pônsul, bem próximo da sua foz com o Tejo. Aqui começámos os nossos projectos agrícolas, turísticos, de transformação, de distribuição, sociais e financeiros, para os quais recorremos ao financiamento do Proder e PDR. É aqui que se encontra o Parque das 13 Luas.
5Chafurdões
12Funcionários
6Serras
46Actividades

O Projecto

1. Valores e Missão
VALORES: Consciência individual, colectiva e ambiental. MISSÃO: Criar riqueza através de sistemas sustentáveis de produção agrícola, actividades turísticas, assim como energia e alimento, respeitando os princípios da Agro-ecologia e as suas várias vertentes (agricultura biológica, biodinâmica, permacultura, «key-line», agricultura holística, entre outras), com consciência social e financeira.
2. Saúde
Através de uma grande consciência alimentar (consumo de comida caseira, vegetariana, biológica e de produção nacional) e ambiental (uso de cosmética natural, horário de trabalho ao ritmo solar, seguir o calendário lunar, respirar ar puro e viver ao ritmo da Natureza, trabalho que exige exercício físico), é todo um conjunto de factores que nos beneficia a curto, médio e longo prazo a nossa saúde física, emocional e psicológica.
3. Educação
Oferta das mais variadas oficinas e ferramentas necessárias ao Homem para aprender, partilhar e tornar-se ele mesmo autónomo e sustentável. Resgate das artes e ofícios já em vias de se perderem: agricultores, marceneiro, carpinteiro, sapateiro, costureiras, cesteiros, funileiros, oleiros, moleiros, escultores, entre outros.
4. Responsabilidade Social
Possuímos várias formas de aproximar as pessoas que vivem e trabalham no Vale da Sarvinda. Os salários por exemplo, apenas podem ter uma diferença entre o mais baixo e o mais alto de 2 vezes. Ou seja se o mais baixo são 800€, o mais alto não poderá ser superior a 1600€. Criaremos um sistema de economia partilhada, incentivando sistemas de financiamento éticos. Iremos doar 10% dos nossos lucros a instituições, comunidades e pessoas, dentro da nossa esfera local, de forma a contribuir para um verdadeiro desenvolvimento sustentável.